quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

INVERNO

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007
Na manhã calada, sem sol,
A constante turbulência,
Lembra, de longe, um atol,
Pela simples referência.

Pois de si mesmo exilado,
Num apelo comovente,
O sol se torna calado,
Pra não dizer o que sente.

E assim o dia prossegue,
Em constante letargia,
Da manhã que não consegue,
Ser um nada além de fria.

O.T.Velho

1 comentários:

Marcio disse...

Querido Ozanã, aceito o convite, aqui estou, absolutamente encantado com a sua rima lírica e sensível, que passa em suas entrelinhas uma certa suave e adorável melancolia. Parabéns, grande poeta, ficas me devendo uma visitinha no meu http://emaranhadorufiniano.blogspot.com . Grande abraço!!!

 
Conservatório Íntimo © 2008. Design by Pocket